As transformações ocorridas em São Paulo a partir de finais do século XIX alteraram as áreas de chácaras que circundavam o núcleo mais densamente urbanizado da cidade. A análise destas áreas permite compreender a construção da idéia de trabalho e trabalhador não associados ao mundo fabril e a de bairros investidos de identidades estrangeiras transformando-se em lugares pitorescos e que reafirmam a identidade de São Paulo como cidade cosmopolita.

Esses bairros que congregam múltiplos personagens, estrangeiros em suas diversas dimensões foram os lugares privilegiados de pesquisa. Para tanto trabalhamos com problemas relacionados à diversidade desses espaços, à multiplicidade de personagens e identidades que eles abrigam; à pluralidade das formas de morar; às atividades neles desenvolvidas e nas quais estão ou não envolvidos seus moradores; ás múltiplas manifestações culturais e associativas.Compreender as configurações da materialidade dos bairros centrais torna mais consistente a possibilidade de entendimento de uma atuação decisiva de estrangeiros para a produção do espaço urbano paulistano.