Coleção Giancarlo Palanti

Em 1989, o acervo de projetos de Palanti foi doado pela família à Biblioteca da FAU USP. São ao todo 120 projetos em sua maioria referentes ao período de sua sociedade com Henrique Mindlin e alguns de outros períodos, como o realizado em sociedade com Daniele Calabi. O conjunto compreende projetos de hotéis, residências, edifícios de uso público, edifícios de apartamentos, edifícios de escritórios, fábricas, e uma série de projetos para as lojas da Olivetti, em São Paulo e outras cidades. Cada um deles apresenta desenhos em diferentes fases de elaboração, desde estudos preliminares até projetos executivos, constituídos por plantas, cortes, fachadas, perspectivas, detalhes construtivos e desenho de mobiliário. O suporte utilizado é papel vegetal, papel manteiga e cópias heliográficas apresentando algumas pranchas em mau estado de conservação, num total de aproximadamente 2400 desenhos. Também fazem parte do acervo pastas que contém documentos relativos à revalidação do diploma do arquiteto no Brasil e um interessante conjunto de correspondências com arquitetos europeus e também com o CIAM, que esclarecem sobre as relações mantidas pelo arquiteto com o seu país de origem.

Quem foi Giancarlo Palanti

Giancarlo Palanti pertence à segunda geração de arquitetos racionalistas da Itália e atuou como redator das revistas Casabella e Domus. Formou-se em 1929 pelo Politécnico de Milão e foi professor da mesma escola entre 1935 e 1946. O arquiteto já tinha um conjunto consistente de trabalhos que abrangiam desde o desenho de móveis até planos urbanísticos quando se transfere para o Brasil em 1946. Em São Paulo, Palanti irá se associar inicialmente ao arquiteto italiano Daniele Calabi (1906-1964), que já se encontrava na cidade desde 1939 e juntos desenvolvem o projeto da Casa da Infância para a Liga das Senhoras Católicas. No período de 1948 a 1951 associa-se a Lina Bo (1914-1992) e Pietro M. Bardi (1900-1999) no Studio de Arte Palma, com o objetivo de desenvolver um mobiliário moderno. Depois dessas experiências iniciais Palanti irá trabalhar em construtoras e escritórios de arquitetura importantes do período: de 1951 a 1954, trabalha para a Construtora Alfredo Mathias engenheiro arquiteto, filho de imigrantes sírios, formado pela Poli e a partir de 1955 se associa ao arquiteto Henrique Mindlin (1911-1971), com quem permanece até 1966, nesse período se destacam seus projetos para a indústria Olivetti em parceria como pintor italiano Bramante Buffoni. Após a sociedade com Mindlin, Palanti trabalha em seu escritório individual, o mesmo não tendo continuidade depois de sua morte.

Sobre Giancarlo Palanti


ANELLI, Renato Luiz Sobral. Interlocuções com a arquitetura italiana na constituição da arquitetura moderna em São Paulo. Tese (Livre Docência) - Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, 2001

ROCHA, Ângela Maria. Produção do espaço em São Paulo: Giancarlo Palanti. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo, São Paulo, 1991.

SANCHES, Aline Coelho. A obra e a trajetória do arquiteto Giancarlo Palanti: Itália e Brasil. Dissertação (Mestrado) - Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, São Carlos, 2004.

Critérios de seleção dos documentos referenciados no banco de dados


Em virtude da quantidade de documentos, cada uma delas com mais de 2000 mil folhas de projeto, não foi possível digitalizar todo o acervo. Diante dessa limitação, foram referenciados no Banco de Dados:

  • Projetos cuja importância já está consagrada pela bibliografia
  • Projetos publicados em periódicos da época
  • Projetos cujas imagens constam no acervo de fotos do Museu Paulista
  • Projetos que representem as várias fases e parcerias dos arquitetos
  • Projetos cujos programas representem as várias áreas de atuação dos arquitetos
  • Projetos realizados em São Paulo
Os projetos selecionados, novamente em função da grande quantidade de desenhos, não foram completamente digitalizados, escolhendo-se os desenhos segundo os critérios abaixo;
  • Desenhos que dão uma idéia do processo de feitura do projeto (croquis, estudos e anteprojeto das várias versões do projeto)
  • Desenhos que possibilitam a leitura do projeto executivo final e a sua comparação com a obra construída (plantas, cortes, elevações, perspectivas e detalhes do projeto final).



Próximo

Voltar